El Salvador tornou-se esta terça-feira no primeiro país em todo o mundo a aceitar a bitcoin como moeda corrente, equiparando-a ao dólar. O presidente Nayib Bukele anunciou horas antes que o país tinha comprado mais 200 bitcoins, num total que agora é de 400, e que está atualmente avaliado em 21 milhões de dólares (mais de 17 milhões de euros).

Já depois desse anúncio a criptomoeda continuou a sua valorização, subindo 1,5%. Agora, cada bitcoin vale mais de 43 mil euros.

Nesse sentido, Nayib Bukele afirmou que os especialistas de mercado de El Salvador "vão comprar muito mais" moeda, naquilo que é a preparação para uma nova era monetária no país.

Segundo a lei salvadorenha, todos os agentes económicos devem passar a aceitar a bitcoin como meio de pagamento, sendo que até os impostos podem passar a ser pagos através da criptomoeda.

Vai ainda ser possível descarregar a "Chivo Wallet", uma aplicação criada pelo governo que vai dar 30 dólares (perto de 25 euros) em bitcoin para estimular a utilização por parte da população. Esta aplicação já está disponível, como confirmou o presidente do país através do Twitter.

 

O processo da bitcoin em El Salvador tem uma curva de aprendizagem. Todos os passos dados em direção ao futuro são assim, e não vamos conseguir tudo num dia ou num mês", escreveu o presidente através de um tweet.

O plano de introdução da bitcoin no país foi anunciado em junho de 2021, numa parceria levada a cabo com uma empresa especializada em finanças digitais. Na altura, e segundo dados dessa mesma empresa, a Strike, 70% da população de El Salvador não tinha uma conta bancária.

Pediram-me ajuda para traçar um plano e disseram-me que viam a bitcoin como uma moeda de classe mundial", afirmou Jack Mallers, citado pela CNN.

A bitcoin, como outras criptomoedas, é gerida através de carteiras digitais, em vez do acesso a um banco normal. Segundo os especialistas, esta pode ser uma forma de as comunidades mais pobres terem um melhor acesso às suas finanças, uma vez que muitas destas pessoas não têm conta bancária. Além disso, El Salvador espera também que a bitcoin possa ajudar num aumento do investimento no país.

António Guimarães