O Ikea é um local para planear o futuro, recriar a própria casa, mas em Slependen, na Noruega, enquanto os clientes procuravam conforto para os seus lares, foram surpreendidos com o desconforto de uma casa Síria recriada no estabelecimento que mostrava a realidade cruel vivida por muitas pessoas.

Com apenas 25 metros quadrados, sem qualquer tipo de comodidade ou condições para viver, esta foi a réplica de uma casa, em Damasco, na Síria, onde mora Rana e a sua família composta por nove elementos.

Quando nos mudámos para este local, para encontrar segurança, não tínhamos dinheiro suficiente para arrendar uma casa melhor. Não tínhamos dinheiro para adquirir colchões e cobertores, ou roupas para as crianças”, disse Rana à equipa da Cruz Vermelha, que ajudou nesta campanha, citada pela CNN.

Cada móvel ou peça que faz parte da réplica da casa, também apresenta as conhecidas etiquetas do Ikea, onde estão as referências dos bens e o preço.

Uma das divisões da casa síria (Foto:Lusa)

Um choque de emoções

Esta é uma das campanhas mais profundas da empresa sueca, organizada em parceria com a Cruz Vermelha e um grupo publicitário, POL advertising.

O principal objetivo da campanha é mostrar aos clientes como é viver sem acesso a água, alimentação e numa casa sem estar devidamente equipada.

"Mesmo a campanha tendo um grande impacto emocional, nada é comparável a experiência de visitar pessoas na zona de guerra. Porém, pesamos que conseguimos dar aos noruegueses esta experiência, no Ikea. Num lugar onde pensa e planeia o futuro – a casa serve como um lembrete físico de como temos sorte”, disse Maja Folgero, uma das criadoras da campanha, à CNN.

Em declarações ao mesmo meio de comunicação, a criadora diz que a parte mais difícil para concluir esta réplica foi torná-la mais próxima da realidade.

Só esta semana, cerca de 40.000 clientes passaram pelo lar sírio e a campanha desenvolvida pelo Ikea para arrecadar fundos conseguiu levantar 22 milhões de euros para apoiar os esforços da Cruz Vermelha na Síria.

Veja algumas reações dos clientes no vídeo: