A prova de que Abu Bakr al-Baghdadi tinha sido mesmo a pessoa abatida pelos soldados norte-americanos foi conseguida por um espião das Forças Democráticas Sírias (FDS). Segundo a imprensa internacional, foi o espião que fazia parte do círculo próximo do líder do Estado Islâmico conseguiu roubar um par de cuecas de al-Baghadadi para provar a sua identidade.

A proeza foi revelada pelo conselheiro das FDS, Polat Can, no Twitter. 

Polat Can explicou, através de uma série de tweets, como tudo foi feito e lembrou que os curdos sírios foram fundamentais para a localização de al-Baghdadi no complexo no norte da Síria, uma versão que vem contrariar as declarações de Donald Trump sobre a soberania das forças americanas na missão.

Recorde-se que, no início do mês, Trump ordenou a retirada dos soldados americanos, abrindo caminho a uma ofensiva turca, abandonando assim aquelas forças curdas que lutavam contra o Daesh. Esta retirada de tropas e a ofensiva turca causou um atraso na operação de captura do líder do Estado Islâmico.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou no domingo a morte de Abu Bakr al-Baghdadi numa operação militar norte-americana realizada no sábado à noite em Idlib, no noroeste da Síria.

Donald Trump agradeceu na ocasião à Rússia, e também à Turquia, ao Iraque, à Síria e às milícias curdas da Síria.