O vulcão Cumbre Vieja tem desde esta sexta-feira uma nova boca a deitar lava na ilha de La Palma, nas Canárias. A informação foi avançada pelo Instituto Geográfico Nacional (IGN), que confirma a existência de quatro postos de emissão de lava: além de outras duas bocas, há ainda a cratera original.

A nova boca pode fazer com que surja uma nova corrente de lava, que pode vir a correr noutra direção, aumentando ainda mais os estragos causados pelo vulcão, numa altura em que mais de mil edifícios já foram afetados. O IGN ainda não tem a certeza que isso aconteça, mas admite que esse cenário não seria uma boa notícia.

A chegada da lava ao mar está a originar uma nova superfície terrestre onde antes havia água. Ainda não se sabe o que será desses novos terrenos, mas o certo é que ficarão a cargo do Estado espanhol.

Esta sexta-feira o IGN partilhou as primeiras fotografias da superfície de lava já arrefecida na água, mostrando uma grande superfície castanha, de onde saem ainda muitos gases, à medida que o rio emanado do vulcão continua a avançar para o oceano.

De acordo com os últimos dados, a superfície de lava, em parte já arrefecida, já tem mais de 20 hectares, esperando-se que aumente nos próximos dias, até porque não há sinais de que o Cumbre Vieja vá cessar a erupção começada a 19 de setembro.

Na prática, a lava no local criou um delta no mar, uma nova superfície terrestre na ilha de La Palma.

António Guimarães