Pelo menos quatro pessoas morreram, esta terça-feira, na sequência de um tiroteio em Darwin, na Austrália. A polícia já fez saber que o suspeito é “bem conhecido” das autoridades e estava em liberdade condicional, monitorizado por pulseira eletrónica.

O homem, um motociclista com cerca de 45 anos, vestia roupas de trabalho com partes refletoras. Foi detido pelas autoridades e está internado no hospital sob custódia policial.

As vítimas mortais do tiroteio, que ocorreu no centro da cidade, são quatro homens. Há ainda uma mulher ferida.

O comissário da polícia de Northern Territory, Reece Kershaw, citado pelo jornal britânico The Guardian, saiu em liberdade condicional em janeiro último.

A polícia sabe que foi usada uma shotgun no tiroteio, mas não precisou ainda o tipo específico.

Questionado pelos jornalistas se o suspeito estava ligado ao grupo Rebels, um gangue de motards especialmente violento, o agente disse que é possível que o homem tenha ligação “com esse tipo de grupos”.

A polícia fez ainda um apelo aos populares para entregarem às autoridades todas as imagens da cena do crime que possam ter em sua posse.

Manuela Micael