O deputado britânico do Partido Conservador David Amess morreu após ter sido esfaqueado esta sexta-feira durante um encontro com eleitores numa igreja em Essex, Reino Unido.

De acordo com a polícia local, o incidente ocorreu em Eastwood Road North, por volta das 12:05 horas, sendo que as autoridades detiveram o suspeito no local.

“Fomos e encontrámos um homem ferido. Ele foi assistido pelos serviços de emergência, mas, infelizmente, morreu no local”, indicou a polícia em comunicado.

Amess tinha 69 anos e representava a circunscrição de Southend West no condado de Essex desde 1997. O ataque ocorreu numa igreja Metodista.

De acordo com a Agência Reuters, o deputado foi esfaqueado "várias vezes". Amess ainda recebeu assistência médica no local, mas acabou por não resistir aos ferimentos.

Sextas-feiras são normalmente o dia em que os deputados ao longo do Reino Unido promovem encontros com o público com o objetivo de ouvir os problemas e as preocupações dos seus eleitores.

Estes encontros são, habitualmente, convocados em locais como igrejas ou centros comunitários e os membros do parlamento frequentemente fazem-se acompanhar por um reduzido número de associados.

A maior parte destes encontros são, também, imensamente publicitados, como aquele conduzido por David Amess, e não é obrigatório a constituição de uma ficha de inscritos - pelo que o deputado não saberia quem poderia estar presente.

Na sequência do anúncio da morte de Amess, vários governantes recorreram às redes sociais para lamentar o sucedido e dar os pêsames à família. Entre eles o Secretário da Saúde Sajid Javid que se mostrou "devastado" ao saber das notícias do companheiro partidário

 

 

 

 

"Devemos lembrar-nos dele e o que fez com a sua vida", escreveu o governante. Também o Secretário dos Transportes, Grant Shapps, descreveu David Amess como uma pessoa "dedicada e ponderada". 

Da Irlanda do Norte, o secretário Brandon Lewis referiu-se ao deputado como "uma das pessoas melhores da vida".

Carrie Johnson, mulher do primeiro-ministro Boris Johnson sublinhou o impacto de alguém "cheio de bondade" no país. "Um enorme amante de animais e um verdadeiro senhor. Isto é completamente injusto", escreveu.

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon reagiu sublinhando que todos os representantes eleitos do Reino Unido "vão se unir em choque e tristeza".

"Em democracia, os político devem ser acessíveis e estar disponíveis ao escrutínio, mas ninguém merece que lhe tirem a vida enquanto trabalha em representação dos seus constituintes", escreveu.

David Amess era deputado desde 1983, católico, opositor ao aborto e defensor dos direitos dos animais, tendo também feito campanha pelo ‘Brexit’. 

Em 2016, a deputada do Partido Trabalhista Jo Cox foi assassinada por um militante de extrema-direita uma semana antes do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia.

Dois outros deputados, o Liberal Democrata Nigel Jones, em 2000, e o trabalhista Stephen Timms, em 2010, foram vítimas de ataques com facas, tendo ambos sobrevivido, embora um assessor de Jones tenha morrido ao tentar protegê-lo.