Um relatório do Departamento de Defesa dos EUA enfureceu as autoridades chinesas. O documento realça em tom crítico o aumento da capacidade militar da potência asiática e a falta de transparência chinesa nesta matéria, apontando que este factor poderá aumentar a «incerteza» na região.

Pequim não gostou e acusou Washington de «manter a falácia de que a China representa uma ameaça militar». Um porta-voz chinês do ministério dos Negócios Estrangeiros disse ter apresentado formalmente um protesto ao governo dos EUA, pedindo para o «fim do pensamento de Guerra Fria». O mesmo responsável lamentou que o relatório norte-americano represente uma «interferência» nos assuntos do seu país.

A China anunciou no início deste mês que iria aumentar 14,9 por cento o orçamento da Defesa de 2009, relativamente ao do último ano, com o objectivo de modernizar o seu exército.

Um outro relatório dos EUA, sobre direitos humanos, já havia revelado fricções entre os EUA e a China, tal como um incidente no Mar do Sul da China, em que um navio norte-americano foi assediado por barcos chineses.
Redação / HB