Uma mulher que alega que foi obrigada a ter o filho sozinha numa cela sem assistência médica decidiu processar a cidade de Denver, no Colorado, nos EUA. O caso remonta a 2018.

De acordo com a BBC, Diana Sanchez alega que foi forçada a ter o bebé num "banco duro e frio, a pouca distância da sanita" dentro de uma cela, depois de ter sido ignorada pelos guardas durante as quatro horas que esteve em trabalho de parto. 

O processo instaurado por Diana Sanchez acusa seis guardas, o centro médico de Dever e a cidade de Denver de "terem falhado completamente em cumprir o seu dever legal e moral".

Diana Sanchez, de 26 anos, foi detida a 14 de julho, por roubos quando estava grávida de oito meses.

A 31 de julho, a detida informou os guardas que estava em trabalho de parto tendo dito, "pelo menos oito meses durante a manhã, informando-os de cada vez que sentia contrações". 

No entanto, no processo é dito que a jovem acabou por ficar sozinha durante quatro a cinco horas, sem direito a assistência médica.

"O que deveria ter sido um dos dias mais felizes da minha vida transformou-se num dia de terror desnecessário, dor, e humilhação que continua a causar trauma na paciente", pode ler-se na queixa apresentada em tribunal.

Um porta-voz do Departamento da Prisão de Denver afirmou que a Denver Health Medical fornece "atendimento médico nas cadeias" da cidade e que os profissionais estão "alocados às prisões e têm unidades médicas dedicadas" para prestar atendimento.

"A senhora Sanchez estava numa unidade médica sob os cuidados dos profissionais médicos quando teve o bebé", garante o porta-voz acrescentando, no entanto, que o departamento "mudou as suas políticas para assegurar que qualquer detida em trabalho de parto é transportada imediatamente para o hospital".