O Ministério Público brasileiro pediu cinco anos de cadeia para Tiririca, pelo crime de falsidade ideológica.

As alegações finais contra Tiririca, ou melhor, contra o deputado Francisco Everardo Oliveira Silva foram apresentadas na quarta-feira. Segundo o procurador, Tiririca entregou à Justiça Eleitoral declarações falsas sobre sua alfabetização e a propriedade de bens. A lei prevê que a punição no caso pode ir de um a cinco anos de prisão.

O procurador explica, em declarações citadas pelo «Folha.com» que pediu «a condenação na pena máxima tendo em vista a repercussão social do crime e a natureza da falsificação, que foi feita para produzir uma fraude eleitoral de rumorosa consequência jurídica e social».

O magistrado apresentou, como prova, um parecer do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo que acompanhou a audiência na qual Tiririca foi submetido a um teste de ditado e leitura.

Mas, o trabalho do procurador tem sido alvo de criticas, o que já levou o órgão superior do Ministério Público a abrir uma investigação à actuação do magistrado.
Redação / CF