O veredicto foi conhecido e é histórico: Derek Chauvin foi considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd.

O júri, composto por seis caucasianos e seis afro-americanos, terá deliberado durante cerca de dez horas, ao longo de dois dias. E a decisão foi unânime: Chauvin pode agora arriscar até 40 anos de prisão.

Momentos depois, populares aplaudiam a condenação e gritavam "justiça" junto ao tribunal de Mineápolis, enquanto o ex-polícia saía algemado do tribunal.

Pena só daqui a oito semanas

A pena a que Chauvin irá ser condenado será determinada em sentença judicial, a agendar pelo tribunal do condado de Hennepin, na cidade de Mineápolis.

A acusação propôs revogar a fiança de Derek Chauvin. O juiz Peter Cahill concedeu a moção, acrescentando que . "daqui a oito semanas teremos uma sentença".

O ex-polícia de Mineápolis estava acusado de homicídio em segundo grau, homicídio em terceiro grau e homicídio por negligência. Todas as três acusações de homicídios foram avaliadas separadamente.

Cada uma das acusações podia levar a uma pena máxima diferente: 40 anos para homicídio em segundo grau; 25 anos para homicídio em terceiro grau; 10 anos para homicídio por negligência.

Chauvin asfixiou George Floyd até à morte, colocando um joelho sobre o pescoço do cidadão afro-americano durante quase nove minutos, durante uma detenção, em Mineápolis, no Minnesota.

Advogado da família Floyd diz que decisão é "viragem na História"

O advogado, Ben Crump, e a família de George Floyd consideram que o veredicto de hoje "vai muito além desta cidade e tem implicações significativas para o país e até mesmo para o mundo".

Culpado! Uma justiça obtida com muita dor foi finalmente concedida à família de George Floyd", afirmou o advogado, sublinhando que este veredicto é um ponto de viragem na História.

Ben Crump adiantou ainda, no Twitter, que o presidente Joe Biden e a vice Kamala Harris ligaram à família de George Floyd, depois de conhecida a sentença. 

 

Obama considera que o "júri tomou a decisão certa"

O antigo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reagiu ao veredicto, considerando que "o júri tomou a decisão certa", mas ressalvou que "a verdadeira justiça exige muito mais".

A reação da Fundação Black Lives Matter ao veredicto

O homicídio desencadeou uma onda de protestos em várias cidades norte-americanas contra o racismo e a impunidade da polícia. As manifestações Black Lives Matter acabaram por estender-se a cidades de outros países, como, por exemplo, Lisboa.

A fundação global Black Lives Matter (BLMGNF) já reagiu ao veredicto do júri, através de um comunicado divulgado à imprensa.

Esperamos que este veredicto comece a mostrar que a supremacia branca não irá vencer. A supremacia branca não tem lugar na democracia, especialmente naquela que supostamente garante-nos liberdade para viver", lê-se no comunicado.

"Mas queremos deixar claro que isto não traz os nossos entes queridos de volta. Nós não temos George Floyd de volta. A sua família terá de crescer sem ele e continuará o seu legado através da fundação George Floyd"

Desde a morte de George Floyd, houve nos Estados Unidos pelo menos 7.750 manifestações associadas ao movimento 'Black Lives Matter' em 2.000 localidades dos 50 estados do país.

Rafaela Laja