A família de Gabby Petito anunciou, este fim de semana, que vai criar uma fundação em nome da jovem, com o objetivo de ajudar outras famílias a encontrar os seus filhos desaparecidos.

A 'Fundação Gabby Petito'. Ninguém deveria ter de procurar sozinho os seus filhos. Estamos a criar esta fundação para dar recursos e orientações às famílias para trazerem os seus filhos para casa. Queremos ajudar pessoas em situações semelhantes às da Gabby", afirmou o pai  Joseph Petito, na rede social Twitter.

 

O funeral da jovem de 22 anos decorreu, no domingo, em Holbrook, Nova Iorque, onde a jovem influenciadora foi criada. 

A família tinha intenção de cremar o corpo de Gabby, no entanto, segundo a imprensa norte-americana, o FBI ainda está a investigar as causas da morte, o que fez com que a cerimónia acontecesse com uma urna vazia.

Gabby Petito desapareceu misteriosamente quando estava a viajar pelos Estados Unidos com o namorado Brian Laundrie. A 1 de setembro, Brian terá voltado para casa, mas sem a namorada.

No passado dia 11, a família de Gabrielle participou o seu desaparecimento às autoridades. Na terça-feira, a polícia foi a casa de Laundrie para tentar obter informações, mas, segundo a família, ele recusou-se a falar com a polícia e, pouco depois, terá saído de casa com uma mochila, dizendo aos pais que ia passar uns dias na reserva natural, circunstâncias cuja veracidade também está ainda a ser apurada. 

Brian Laundrie foi declarado "pessoa de interesse" no caso, mas não foi ainda acusado de nenhum crime. O advogado da família de Laundrie, Steven Bertolino, disse na sexta-feira que o seu paradeiro "é atualmente desconhecido".

No dia 21 de setembro, o advogado da família Petito, Richard Stafford, confirmou que o corpo encontrado na Floresta Nacional de Bridger-Teton, no Estado norte-americano do Wyoming, pertencia a Gabby Petito.

 As autoridades continuam a procurar aquela que terá sido a última pessoa a ver Gabby.

Redação / IC