Uma equipa de investigadores israelitas descobriu, na quinta-feira, uma nova espécie de homem pré-histórico durante umas escavações arqueológicas perto da cidade de Ramla, no centro de Israel. Num estudo publicado na revista Science, os antropólogos da Universidade de Tel Aviv deram a nova espécie o nome "Homo Nesher Ramla " em homenagem a cidade onde foi encontrada.

Os ossos descobertos permitem dizer que estes seres humanos viveram há mais de 120.000 anos e têm algumas características em comum com os Neandertais, como os dentes e a mandíbula. No entanto diferem de nós pelo formato do crânio, pela ausência de queixo e pelos dentes.

Esta espécie de Homem pré-histórico é muito diferente dos humanos modernos, com uma estrutura de crânio completamente diferente, sem queixo e com dentes muito grandes", explicou Yossi Zaidner, do Departamento de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Fonte: Yossi Zaidner

Esta descoberta vem pôr em causa a tese de que os Neandertais surgiram na Europa antes de migrarem para sul, sugerindo que pelo menos alguns dos antepassados tenham vindo do Levante, isto é, algures da região oriental.

Os ossos de Nesher Ramla fazem-nos questionar essa teoria, sugerindo que os ancestrais dos Neandertais europeus já viveram no Levante há 400.000 anos", explica o professor Israel Hershkovitz, da Universidade de Tel Aviv.

A descoberta de uma nova espécie de homem pré-histórico permite aos investigadores compreenderem melhor a evolução e as migrações feitas pelos humanos antigamente.

No mesmo sítio arqueológico, os investigadores encontraram ainda ossos de animais e ferramentas de pedra. Uma descoberta que, segundo Yossi Zaidner, permite perceber melhor a dinâmica dos nossos ancestrais.

Esta descoberta mostra que o Homo Nesher Ramla possuía tecnologias avançadas para a produção de ferramentas de pedra e muito provavelmente interagia com o Homo Sapiens”.

Redação / IC