A Alemanha está a entrar na próxima etapa de alívio das restrições até agora implementadas para mitigar a disseminação da pandemia, mas a chanceler, Angela Merkel, advertiu para a necessidade de prosseguir o desconfinamento com cautela.

Várias regiões do país estão gradualmente a levantar as restrições impostas para impedir a propagação do SARS-CoV-2, fruto do declínio acentuado no número de infeções e do progresso na vacinação.

Restaurantes, cafés e bares em Berlim começaram esta sexta-feira a servir os clientes nas esplanadas pela primeira vez em vários meses, mas para ir almoçar a uma esplanada, por exemplo, é necessário apresentar um certificado de vacinação ou um teste negativo à presença do SARS-CoV-2.

A maioria das cidades da Alemanha estão com menos de 100 infeções por 100.000 habitantes, número que era ultrapassado em quase todo o país há meses e que levou ao confinamento de todo o país.

Contudo, este momento de reabertura não pode ser de desleixo, advertiu a chanceler alemã.

Podemos estar felizes pela descida [do rácio de infeções] nos últimos dias (…). Espero que, depois de tanto tempo de clausura e de oportunidades que não tiveram, as pessoas tratem estas oportunidades com responsabilidade. O vírus não desapareceu”, advertiu Merkel, em Berlim, a um grupo de jornalistas.

A Alemanha contabiliza mais de 87.000 óbitos associados à covid-19 desde o início da pandemia. Ultrapassar largamento este número e continuar a flagelar o tecido económico do país é uma preocupação constante das autoridades.

. / MJC