As autoridades venezuelanas anunciaram hoje que desde agosto de 2017 foram detidos 43 procuradores do Ministério Público, na Venezuela, alegadamente envolvidos em delitos relacionados com corrupção, pelos quais outros 101 funcionários estão sob investigação.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral designado pela Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime), Tareck William Saab, durante uma conferência de imprensa na sede principal do Ministério Público, em Caracas.

Desde agosto de 2017 e até esta data, 43 procuradores foram detidos e 101 se encontram sob investigação penal, o que dá o total de 144 funcionários processados pela justiça", disse.

Segundo o procurador as detenções ocorreram no âmbito de investigações relacionadas com a exploração mineira ilegal e estes procuradores "converteram-se em criminosos" que cometeram delitos de concussão (extorsão cometida no exercício das suas funções), corrupção própria (benefício de ato ilegítimo e injusto), abuso de autoridade e tráfico de influências.

O procurador precisou que as investigações contra a exploração mineira ilegal levaram à abertura de 10.421 investigações, que motivaram acusações contra 170 cidadãos, dos quais 83 continuam detidos.

Tareck William Saab disse que os procuradores foram detidos em Caracas e em 21 dos 23 Estados do país.

Por outro lado, explicou que as autoridades desarticularam, a 07 de agosto último, um grupo composto por 35 pessoas que se dedicavam à exploração mineira ilegal em El Callao, no Estado venezuelano de Bolívar (sudeste do país).