Cerca de mil pessoas acusadas de homicídios foram detidas na terça-feira no Brasil durante uma uma megaoperação em 21 dos 27 estados brasileiros, de acordo com as autoridades.

A segunda fase da chamada "Operação Cronos" resultou na detenção de 968 pessoas investigadas por homicídio, de acordo com um comunicado do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O principal objetivo da megaoperação era tornar efetivas as penas de prisão emitidas pela Justiça brasileira contra os suspeitos.

Com o apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil realiza hoje [terça-feira] a Operação Cronos II, que cumpre mandados de prisão contra assassinos em 21 estados (…) Ganha a população de bem”, escreveu o Presidente do Brasil Jair Bolsonaro, na sua página da rede social Twitter.

Já o secretário executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel de Souza, disse, durante uma conferência de imprensa, que as autoridades identificaram alguns suspeitos "ligados a fações" que operam no tráfico de drogas e armas no Brasil.

O Brasil registou uma média de 60.000 mortes violentas por ano nos últimos anos.

Na primeira fase da "Operação Cronos", em agosto do ano passado, as autoridades brasileiras detiveram 2.968 pessoas.

Além disso, 640 pessoas foram detidas em flagrante delito por tráfico de drogas e/ou posse ilegal de uma arma de fogo.