A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou este sábado "o uso desnecessário e desproporcional da força" pela polícia e pelo exército" na Bolívia.

Segundo adiantou Michele Bachelet, que foi presidente do Chile entre 2014 e 2018, em comunicado, o uso excessivo da força pelas forças de segurança bolivianas "é extremamente perigoso" e poderá conduzir a uma "situação degenerativa".

O ex-presidente boliviano Evo Morales, que se refugiou depois de abandonar o cargo, defendeu que a ONU deveria mediar a crise política no país e admitiu pedir a intervenção da Igreja Católica e do Papa Francisco, numa entrevista recentemente divulgada pela agência de notícias Associated Press.

Tenho muita confiança na ONU", declarou Morales, que expressou o desejo de ver aquele organismo mundial como "um mediador, não apenas um facilitador, talvez acompanhado pela Igreja Católica". E, "se for necessário, o Papa Francisco", acrescentou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou um representante à Bolívia por forma a apoiar os esforços para encontrar uma solução pacífica para a crise social e política naquele país.

Morales afirmou ter sido deposto do cargo através de um golpe de Estado que o forçou a exilar-se no México.

A líder interina da Bolívia, a senadora Jeanine Anez, foi reconhecida por alguns países, mas enfrenta uma batalha árdua na organização de novas eleições.

A Constituição boliviana estabelece que um presidente interino tem 90 dias para organizar uma eleição. .

A renúncia de Morales surgiu após protestos em todo o país por suspeita de fraude eleitoral na eleição de 20 de outubro, na qual o então governante alegou ter conquistado um quarto mandato.

Grande parte da oposição a Morales foi desencadeada pela recusa do chefe de Estado boliviano em aceitar um referendo que o poderia proibir de concorrer a um novo mandato.

/ SS