Ir ao supermercado e encontrar um homem com um papel colado na mochila com a frase "A minha mulher precisa de um rim" não é comum, nem ninguém deseja ter de fazê-lo. O norte-americano Raymond Thomson recusa ficar à espera da sorte e encontrou uma maneira de a procurar. Uma mulher que se deparou com este homem numa ida às compras pegou no telemóvel e fotografou-o. Abaixo da frase ainda se conseguia ler o contacto telefónico do sujeito. 

A história de Raymond e da mulher, Mylen, residentes em Brooklyn, foi dada a conhecer por Lilit Marcus, jornalista da CNN. Foi a própria que, depois de captar o momento e certificar-se que o rosto deste marido desesperado não era identificado na fotografia, publicou-a no Twitter.

O norte-americano inspirou-se na história de Rob Leibowitz, um homem que decidiu ir à DisneyWorld com uma t-shirt vestida com a seguinte frase estampada: "Necessito de um rim", e que acabou por encontrar um compatível. 

A fotografia de Raymond tornou-se viral em poucas horas e quase uma semana depois já tinha mais de 23 mil retweets na rede social. Várias celebridades chegaram a partilhar a publicação nas suas contas oficiais, inclusive a atriz Sara Hylan, que revelou recentemente ter feito o segundo transplante de rim. 

As inúmeras chamadas e mensagens de texto de números desconhecidos vindas de todo o mundo apoderaram-se do telemóvel de Raymond. Foram milhares as ofertas de rins. Porém, ainda nenhum compatível até ao momento. 

Eu agradeço a todos os que estenderam a mão. Significa muito para nós divulgar a mensagem (...) Inscreva-se para ser doador de órgãos (...) Há tantas pessoas que realmente precisam de órgãos, especialmente rins... Você tem dois e pode viver uma vida saudável com apenas um. Basta inscrever-se.", disse à CNN.

Raymond Thompson garante apenas estar à procura do rim de que a mulher tanto precisa, recusando qualquer quantia monetária. "Tive algumas pessoas atrás de mim a oferecer-me dinheiro (...), mas eu recuso sempre".

Foi há dois anos que Mylen foi diagnosticada com uma doença renal. "Hoje em dia, ela vai a um centro de diálise durante três horas, três vezes por semana. Tem uma máquina que lhe filtra o sangue", contou o marido. 

Lilit Marcus, a jornalista da CNN e autora da fotografia de Raymond, acabou por se tornar dadora de medula óssea.

De acordo com a United Network of Organ Sharing, uma organização sem fins lucrativos dedicada à temática da doação de órgãos, na Virginia, Estados Unidos, das quase 100.000 pessoas que esperavam por um rim no ano passado, apenas conseguiram cerca de 20%.

/ MP