Foi uma marcha-atrás, ao que tudo indica devido aos custos. Num contexto em que os Estados Unidos se tornaram no país com mais infeções por Covid-19 a nível mundial, a Casa Branca estaria preparada para anunciar a produção de 80 mil ventiladores, numa parceria da gigante industrial General Motors com a empresa Ventec Life Systems. No entanto, o anúncio foi cancelado.

De acordo com fontes oficiais citadas pelo jornal norte-americano The New York Times, a decisão foi tomada depois da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) ter pedido mais tempo para estudar os custos de produção, avaliados em mais de mil milhões de dólares. O preço médio de um ventilador rondará os 18 mil dólares.

Com o apoio de representantes das forças armadas, os especialistas da FEMA estarão a analisar outras propostas. A General Motors e a Ventec, todavia, garantem que o programa de produção está numa fase avançada e pediram à Administração Trump informações mais claras sobre o número de ventiladores em questão, bem como quem pagaria a fatura.

À semelhança de muitos países, os Estados Unidos enfrentam a urgência de reforçar os hospitais com mais equipamento. Andrew Cuomo, governador de Nova Iorque, o estado mais afetado pela pandemia, disse esta semana que precisava de 30 mil ventiladores. Ainda ontem à noite, na Fox News, Trump desvalorizou os números, insinuando que Cuomo estaria a pedir mais do que o necessário. Declarações que voltam a acentuar o braço-de-ferro entre o governo federal e os poderes estaduais.

João Póvoa Marinheiro