O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que testou positivo para a covid-19, foi hospitalizado nesta sexta-feira "por precaução".

Trump chegou de helicóptero ao Hospital Militar Walter Reed, nos subúrbios de Washington, às 18:37 locais (23:37 em Lisboa).

Quero agradecer a todos pelo tremendo apoio. Vou para o hospital. Penso que estou muito bem, mas queremos ter a certeza que as coisas correm bem. A primeira-dama está muito bem", afirmou numa mensagem de vídeo divulgada no Twitter antes de partir para o hospital.

À saída da Casa Branca, Trump, que usava máscara, cumprimentou os jornalistas nos jardins da Casa Branca, mas não disse nada antes de embarcar no helicóptero presidencial “Marine One”, que descolou pouco depois.

Apesar de o presidente estar hospitalizado, o vice Mike Pence não vai assumir a liderança do país. A Casa Branca já confirmou que não haverá transferência de poder.

Donald Trump vai ficar hospitalizado durante “alguns dias”, "por precaução", na suíte presidencial do hospital, que está equipada para permitir que o presidente mantenha as suas funções oficiais.

A filha Ivanka Trump já reagiu nas redes sociais, dizendo que o pais é um "guerreiro" e que "vai vencer" a covid-19. "Adoro-te pai", termina o tweet.

Esta madrugada, Donald Trump escreveu na sua página pessoal da rede social Twitter que, tal como a primeira-dama, Melania, tinha testado positivo com covid-19 e que iria ficar em quarentena, num anúncio que deixou o país em alerta e está a multiplicar reações em todo o mundo.

As ações de campanha programadas de Donald Trump vão ser mantidas de forma virtual ou adiadas, anunciou hoje a equipa de campanha do candidato republicano quando faltam 32 dias para a eleição presidencial.

Trump alvo de tratamento experimental de anticorpos sintéticos

O presidente dos Estados Unidos está a ser tratado com anticorpos sintéticos, um tratamento experimental considerado promissor, avançou hoje a Casa Branca.

De acordo com o médico da Casa Branca, Sean Conley, Donald Trump recebeu um ‘cocktail’ experimental de anticorpos, permanece “cansado, mas mantém "bom moral”.

"Esta tarde, o presidente continua cansado, mas com bom moral", disse Sean Conley, o médico do presidente, em comunicado citado pela AFP.

Segundo o médico, Donald Trump recebeu uma dose do ‘cocktail’ experimental desenvolvido pelo laboratório Regeneron, que deu resultados preliminares encorajadores em testes clínicos num pequeno número de pacientes.

Os especialistas estão a examinar o presidente norte-americano e farão recomendações para “os próximos passos", adiantou o médico, acrescentando que a mulher de Trump, Melania, também infetada, apresentava "uma tosse ligeira e dor de cabeça".

Os sintomas de Trump não foram descritos com precisão, além da fadiga.

As "melhoras" de Biden, Obama, Bolsonaro e Kim Jong-un

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e adversário de Donald Trump na corrida à Casa Branca foi o primeiro a desejar as melhoras ao rival.

"Envio as minhas preces ao presidente dos Estados Unidos e à primeira-dama. Eu e a minha mulher rezamos para que eles tenham uma rápida e total recuperação. Isto não é uma questão de política, é um alerta para todos nós. Temos de levar este vírus a sério", disse, durante uma ação de campanha.

O antigo presidente dos Estados Unidos Barack Obama também enviou os “melhores votos” de recuperação ao seu sucessor.

“Embora estejamos no meio de uma grande luta política e a levemos muito a sério, também queremos enviar os nossos melhores votos ao presidente dos Estados Unidos e à primeira-dama”, disse o democrata Obama, citado pela agência France-Presse (AFP).

A Michelle [Obama] e eu esperamos que eles, junto com outras pessoas afetadas pela covid-19 em todo o país, recebam os cuidados de que precisam e estejam no caminho de uma recuperação rápida”, acrescentou o antigo chefe de Estado norte-americano durante uma arrecadação de fundos para o candidato democrata às presidenciais, Joe Biden, que decorreu online.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, também desejou "rápidas melhoras" a Trump, bem como o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, que enviou uma mensagem de "consolo" ao presidente e à primeira-dama.

"Ele disse que espera sinceramente que eles recuperem o mais depressa possível. Ele espera que eles superem isto e enviou-lhes saudações calorosas", acrescentou a agência estatal KCNA.

/ AM - notícia atualizada às 23:43