Um discurso do Donald Trump foi hoje interrompido por protestos na Virgínia e boicotado por eleitos negros daquele Estado, entre acusações de racismo dirigidas ao Presidente norte-americano.

Trump exprimia-se por ocasião do 400.º aniversário da assembleia de Jamestown, o local da primeira colónia britânica permanente no continente americano.

Um eleito do partido Democrata do Congresso da Virgínia, Ibraheem Samirah, interrompeu brevemente o seu discurso ao exibir diversos cartazes: "Expulsa o teu ódio"; "Reúne a minha família"; "Regressa à tua corrupção".

O representante Democrata fazia alusões ao combate obstinado do Presidente contra a imigração ilegal, e os seus recentes comentários ao convidar outras quatro eleitas Democratas provenientes de minorias a "regressarem" aos seus países.

O Presidente Donald Trump, mensageiro dos discursos do ódio e das políticas tóxicas, participa numa celebração de valores democráticos que não partilha", indiciou em comunicado publicado na sua conta na rede social Twitter o jovem eleito, filho de refugiados palestinianos.

Samirah, que foi contestado por uma parte da assembleia e calmamente retirado pela segurança, antes de Trump prosseguir o seu discurso sem fazer alusão ao incidente.

Todos os representantes do grupo parlamentar de eleitos negros da Virgínia decidiram boicotar as comemorações históricas devido à presença de Donald Trump.

A participação do Presidente é contrária aos princípios defendidos pelo grupo", explicou em comunicado o Virginia Legislative Black Caucus.

Este organismo denunciou os "comentários degradantes" de Donald Trump face aos eleitos da oposição, e considerou que as suas "políticas prejudicam as comunidades marginalizadas" através de uma "retórica racista e xenófoba".

O milionário do partido Republicano enfrenta novas acusações de racismo nos EUA após ao seus ataques violentos e repetidos nos últimos dias contra um deputado negro da circunscrição de Baltimore, e ainda ao pastor Al Sharpton, conhecida figura do movimento de defesa dos direitos dos negros.

Sou a pessoa menos racista do mundo", assegurou hoje Trump antes de se deslocar à Virgínia para os 400 anos da assembleia de Jamestown, precursora do regime parlamentar dos Estados Unidos.