O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, disse hoje que os norte-americanos “estão cansados do caos” do Governo de Donald Trump.

Num comício do dia final da campanha eleitoral, no Ohio, Biden disse acreditar que Trump vai perder porque os cidadãos estão cansados do estilo do Presidente republicano.

“Chega de caos! Chega de ‘tweets’, de raiva, de ódio, de fracasso e de irresponsabilidade”, disse o candidato democrata, durante a sua intervenção em Cleveland.

“É hora de Donald Trump fazer as malas e ir para casa”, concluiu o candidato, numa referência ao que disse ser a necessidade de evitar uma reeleição do Presidente.

E, se Biden quer mandar Trump para casa, disse estar disposto a contratar Anthony Fauci, o principal conselheiro da Casa Branca para a pandemia de covid-19 que o Presidente republicano insinuou querer despedir logo a seguir às eleições.

“Tenho uma ideia melhor. Elejam-me e eu contratarei o doutor Fauci e despedirei Trump”, disse Biden, perante uma audiência que aplaudiu esta proposta.

O candidato democrata já decidiu onde assistirá à noite eleitoral, tendo escolhido a sua casa em Wilmington, no Delaware, aconselhando os seus apoiantes a irem votar, mesmo que as sondagens indiquem que ele poderá vencer as eleições presidenciais.

Neste último dia de campanha, Biden conta com o apoio do ex-presidente Barack Obama, que estará presente em comícios na Geórgia e na Florida, dois Estados que os democratas poderão conseguir conquistar aos republicanos e que podem mesmo ser decisivos nos resultados finais.

Trump promete desmentir "as falsas sondagens" que lhe dão a derrota

O candidato republicano a um segundo mandato presidencial nos Estados Unidos, Donald Trump, denunciou o que considera ser as “falsas sondagens” que o colocam atrás do rival democrata, Joe Biden.

“Amanhã venceremos, para mais quatro anos na Casa Branca!”, disse Trump, na Carolina do Norte, durante o primeiro de cinco comícios no dia final de campanha eleitoral.

Perante os seus apoiantes, em Fayeteville e num discurso muito duro contra Biden, Trump acusou o democrata de ser “criminoso”, questionando mesmo a sua honestidade intelectual, aproveitando para deixar remoques à comunicação social, às redes sociais e à “esquerda radical”, dizendo que constitui uma “classe política arrogante”.

Trump continua a não esclarecer o que fará se perder as eleições de terça-feira, mantendo o ‘suspense’ sobre a sua atitude na noite eleitoral.

Contudo, o Presidente negou informações veiculadas nos últimos dias, segundo as quais ele iria declarar-se vencedor na noite eleitoral, se os resultados estiverem indecisos.

“Não, não. Essa é uma informação falsa”, disse Trump aos jornalistas.

Mas continuou a insistir na ideia de contestar os resultados, perante as suspeições de “fraude”.

“Logo que termine a eleição, os nossos advogados estarão prontos”, ameaçou o Presidente, referindo-se ao painel de juristas que poderão vir a litigar os resultados nos tribunais, se o republicano não surgir como vencedor.

Segundo o jornal The New York Times, Donald Trump pretende organizar um grande evento nas salas da Casa Branca, na noite eleitoral, com mais de 400 convidados, prometendo derrotar as sondagens que o dão como perdedor.

“Cada voto conta!”, disse Trump no comício de Fayeteville, repetindo o apelo para os seus apoiantes estarem vigilantes durante o dia das eleições, temendo que os democratas possam tentar subverter a transparência democrática do processo de escolha presidencial.

/ AM