Os Estados Unidos declararam-se, quinta-feira, “dispostos” a retomar o diálogo com a Coreia do Norte que, segundo especialistas norte-americanos, concluiu a reconstrução de um complexo de lançamento de mísseis que tinha desmantelado em 2018.

Estamos dispostos a envolver-nos em negociações construtivas com a Coreia do Norte”, declarou o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Robert Palladino, que se escusou a revelar se houve conversações entre Washington e Pyongyang desde o fracasso da recente cimeira em Hanói entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o dirigente norte-coreano, Kim Jong-un.

Trump considerou, quinta-feira, “dececionante” que a Coreia do Norte tenha reconstruído a base de testes nucleares que tinha desmantelado no ano passado e previu que “dentro de cerca de um ano” se saberá se os seus esforços de diálogo com Kim darão ou não frutos.

É dececionante”, disse Trump, quando um jornalista lhe perguntou se estava desiludido com o homólogo norte-coreano devido aos novos indícios de atividade nuclear na Coreia do Norte

.

Veremos. Saberemos [o que acontecerá] dentro de cerca de um ano”, acrescentou o Presidente norte-americano, que falou à imprensa antes de uma reunião bilateral na Casa Branca com o primeiro-ministro checo, Andrej Babis.

Com base em novas imagens captadas na quarta-feira por satélite, dois grupos de reflexão (‘think tanks’) sediados em Washington – o portal da Internet 38north, dependente do centro de investigação Stimson, e o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) - afirmaram hoje que as instalações de lançamento de mísseis de Sohae (ou Tongchang-ri) “regressaram ao seu estatuto operacional normal”.

Nessas fotos de satélite hoje divulgadas, é possível ver que na base de Sohae (noroeste da Coreia do Norte) foram reconstruídas estruturas na plataforma de lançamento e no banco de testes vertical para motores de mísseis e que à sua volta se veem gruas, veículos e diversos materiais.

Na véspera, analisando imagens captadas no início de março, ambos os ‘think tanks’ tinham apontado a existência de um começo de reconstrução, iniciado imediatamente antes ou imediatamente após a cimeira no Vietname, onde Trump e Kim não conseguiram, no final de fevereiro, concluir um acordo sobre o desarmamento nuclear norte-coreano.

Trump já tinha dito na quarta-feira que ficaria “muito, muito desiludido” com Kim se as informações relativas à reconstrução do complexo nuclear viessem a confirmar-se.