O candidato republicano às eleições presidenciais dos EUA, Donald Trump, disse que apenas se declarará vitorioso quando e se houver resultados que garantam a sua vitória.

Nas últimas semanas, os rivais democratas revelaram o receio de que o presidente em exercício pudesse declarar vitória perante os primeiros resultados anunciados, antes de uma contagem dos votos definitiva.

“Somente quando houver vitória”, garantiu Trump, durante uma entrevista à estação televisiva Fox News, referindo-se ao momento em que poderá declarar-se mandatado para um segundo mandato.

Contudo, Trump disse estar seguro de que tem “uma hipótese muito sólida de vencer” as eleições presidenciais dos Estados Unidos que hoje se disputam.

O presidente em exercício - que as sondagens colocam atrás do seu rival democrata, Joe Biden – considera que as “incríveis multidões” que o seguiram nos seus comícios eleitorais irão traduzir-se em votos a seu favor.

“Venceremos com grande vantagem no Texas, na Florida, no Arizona. Acho que teremos muito bons resultados na Carolina do Norte”, disse Trump, referindo-se a alguns dos estados considerados mais relevantes para o desfecho final das eleições.

Trump disse também esperar “bons resultados na Pensilvânia”, mas sem garantir uma vitória, no estado que muitos analistas dizem ser crucial para o candidato republicano.

O presidente disse ainda que compreende que algumas lojas estejam a colocar taipais em frente às suas montras, com medo de eventuais cenas de violência nas ruas durante a noite eleitoral, mas acha que é triste que sintam a necessidade de o fazer.

Trump prevê que, se houver violência e tumultos, será em cidades administradas por democratas, como Chicago, Nova Iorque, Portland, Oakland e Baltimore, culpando esses autarcas por “lideranças fracas”.

Biden iniciou dia eleitoral com visita à campa do filho Beau

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, começou o dia eleitoral com uma visita à igreja e à campa do seu filho falecido, Beau.

Biden e a mulher, Jill, pararam numa igreja da cidade onde vivem, Wilmington, Delaware, e que costumam frequentar aos domingos, para iniciar o dia eleitoral, tendo feito uma visita à campa de Beau Biden, o filho que morreu de cancro no cérebro, em 2015.

O candidato democrata falou por várias vezes de Beau e da sua coragem, durante os seus comícios de campanha, referindo a forma como ele serviu o país quando foi destacado para o Iraque, como major do exército.

No mesmo cemitério estão também enterradas a primeira mulher de Biden, Neilia, e a sua filha Naomi, que morreram num acidente automóvel, em 1972, pouco depois de o agora candidato presidencial ter sido eleito senador pelo estado de Delaware.

Biden vai passar o resto do dia eleitoral na Pensilvânia, onde aguardará pelos primeiros resultados das votações.

Nas eleições presidenciais norte-americanas de hoje, Biden enfrenta o Presidente cessante e candidato republicano, Donald Trump.

/ AM