O ex-diretor do FBI, James Comey, denuncia Donald Trump como sendo alguém "desvinculado da verdade" e compara o atual presidente norte-americano a um "chefe da Máfia", num novo livro explosivo que será lançado na próxima terça-feira.

Segundo o jornal britânico The Guardian, o livro de Comey chamado "A Higher Loyalty" (Uma lealdade mais elevada"), que surge onze meses após o seu afastamento da direção do FBI, acusa Trump de o ter pressionado para encerrar uma investigação sobre o seu ex-assessor de segurança nacional, Michael Flynn.

A saída de Comey desencadeou uma série de eventos que levaram à nomeação de Robert Mueller como conselheiro especial para investigar a eventual interferência russa e o suposto conluio com a campanha eleitoral de Trump.

No livro de Comey, a que o The Guardian teve acesso antes da publicação, o ex-diretor do FBI considera Trump como alguém "antiético" e "desvinculado da verdade".

Comey descreve várias reuniões e encontros com Trump, caso de uma que o "deixou abalado".

Nunca tinha visto nada parecido na Sala Oval. Quando me vi empurrado para a órbita de Trump, ia tendo recordações da minha carreira como procurador contra a Máfia. O círculo silencioso do assentimento. O chefe no controlo total. Os juramentos de lealdade. O nós contra eles. A mentira sobre todas as coisas, grandes e pequenas, ao serviço de um código de lealdade que coloca a organização acima da moralidade e da verdade”, escreve Comey no livro com 304 páginas.