O ex-diretor do FBI Robert Mueller foi nomeado pelo Departamento de Justiça da Administração Trump para dirigir a investigação à alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016, foi hoje anunciado em Washington.

A escolha de Mueller como Conselheiro Especial surge num momento em os Democratas têm vindo repetidamente a pedir que a investigação seja conduzida por alguém que não pertença ao Departamento de Justiça.

Membros do Partido Republicano têm também pedido nos últimos dias que o Congresso promova uma investigação profunda e independente, uma atitude explicada pela inesperada decisão de Donald Trump de demitir o diretor do FBI, James Comey, que estava a conduzir o inquérito.

Confrontado com estes pedidos, Donald Trump disse hoje que não tem memória de algum dia ter visto algum político americano ser tão maltratado pelos seus opositores.

Três comités do Congresso, todos liderados por Republicanos, já confirmaram a intenção de ouvir em audição o demitido James Comey.

O ex-diretor do FBI tornou público ter sido pressionado por Trump para não prosseguir a investigação ao Conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn, alegadamente envolvido com os russos em ações que prejudicaram a campanha da candidata dos Democratas às presidenciais, Hillary Clinton.