O FBI não encontrou ligações do candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, à Rússia, no âmbito de investigações ao alegado envolvimento do Kremlin na campanha presidencial dos Estados Unidos, de acordo com o The New York Times.

Segundo escreveu na segunda-feira o jornal nova-iorquino, o FBI investigou os assessores mais próximos de Trump, procurou conexões com magnatas financeiros russos, com responsáveis pelos ataques informáticos ao Partido Democrata e seguiu uma pista sobre uma comunicação entre o candidato republicano e um banco da Rússia.

“Os agentes asseguram que nenhuma das investigações estabeleceu, até agora, qualquer vínculo entre Trump e o Governo russo”, refere o diário The New York Times, sem identificar as fontes.

Trump usou manobras "legalmente duvidosas" para fugir a impostos

Mas o candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, é alvo de outras notícias esta terça-feira. Também segundo o The New York Times, usou manobras “legalmente duvidosas” para fugir aos impostos e não declarar milhões de dólares em rendimentos.

Novos documentos obtidos pelo jornal indicam que, no início da década de 1990, enquanto tentava evitar a ruína financeira, Trump não declarou centenas de milhões de dólares em rendimentos tributáveis usando uma manobra de fuga ao imposto que levou os seus advogados a advertiram-no de que poderia ter problemas se fosse auditado pelo Serviço de Impostos Interno (IRS, em inglês), a agência responsável pela arrecadação de receita fiscal nos Estados Unidos.

Graças a essa manobra, que foi mais tarde proibida pelo Congresso, Trump conseguiu não pagar potencialmente dezenas de milhões de dólares em impostos federais.

Redação / PP