O Presidente norte-americano, Donald Trump, cancelou a sua visita à Polónia, devido ao furacão Dorian e colocou nas redes sociais uma mensagem onde alerta que a tempestade "pode ser um monstro". 

Trump admite que, segundo as últimas previsões, o furacão deverá atingir "com força" o território norte-americano, mas assegura que o país está pronto, que será enviada água e comida para as zonas que deverão ser mais afetadas e que decorrem evacuações dos locais mais expostos. 

O Dorian deverá atingir os Estados Unidos na próxima segunda-feira e o Estado da Geórgia declarou esta sexta-feira o estado de emergência para uma parte do seu território. 

Esta decisão abrange 12 dos 159 municípios do Estado da Geórgia, com o governador Brian Kemp a afirmar que o furacão tem potencial para “causar efeitos catastróficos” na região sudeste dos Estados Unidos.

A declaração de estado de emergência permite mobilizar os serviços públicos do Estado de forma mais efetiva e recorrer, se necessário, ao auxílio federal.

O governador do Estado da Florida, nos Estados Unidos, também já tinha declarado o estado de emergência devido ao furacão Dorian.

O furacão de categoria 1 na escala de Saffir-Simpson (que tem cinco níveis) estava localizado a 535 quilómetros a leste das Bahamas, com ventos de 140 quilómetros por hora, movendo-se a uma velocidade de 20 quilómetros por hora.

O Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, com sede em Miami, refere que o furacão pode aumentar a sua intensidade e chegar a categoria 4, ou seja, com ventos de pelo menos 209 quilómetros/hora.

Segundo o NHC, está previsto que o furacão atinja os Estados Unidos na segunda-feira, entre Florida Keys e o sul da Geórgia, um espaço de cerca de 800 quilómetros, o que demonstra ainda alguma incerteza sobre o local onde vai tocar terra.