O Presidente francês, François Hollande, avisou, neste sábado, o recém-eleito Presidente norte-americano Donald Trump de que os compromissos dos Estados Unidos para reduzir as alterações climáticas e o aquecimento global são “irreversíveis”.

Donald Trump declarou diversas vezes durante a campanha considerar o aquecimento global “um embuste” e prometeu cancelar o acordo climático de Paris, destinado a fixar o aquecimento global em dois graus Celsius acima dos níveis da era pré-industrial.

Um dia depois de a Cimeira do Clima das Nações Unidas ter terminado, em Marraquexe, Marrocos, Hollande avisou o empresário de que não tem outra escolha a não ser respeitar os compromissos assumidos pelo seu antecessor na presidência dos Estados Unidos, Barack Obama.

Este acordo de Paris é irreversível, ninguém pode abandoná-lo. E mesmo que ele se sinta tentado, haverá forças, entre estas a democracia norte-americana, que irão assegurar que é respeitado", afirmou Hollande, citado pela agência noticiosa France Presse.

As "tensões" de Trump

O Presidente norte-americano, Barack Obama, disse hoje que não prevê “grandes mudanças” na política do seu país em relação à América Latina sob a gestão do Governo que o irá suceder na Casa Branca, do republicano Donald Trump.

Durante um encontro aberto a perguntas com cerca de mil jovens da Pontifícia Universidade Católica, em Lima, Peru, Obama admitiu, contudo, que prevê “tensões”, fundamentalmente em matéria comercial, pelas propostas que Trump defendeu durante a campanha.

Barack Obama afirmou que é importante que a América Latina e o resto do mundo deem “uma oportunidade” ao Presidente eleito dos Estados Unidos e que não se assuma o pior antes de este formar a sua equipa e começar a trabalhar.

O Presidente dos EUA reuniu-se hoje com líderes de outros países integrantes do Tratado Transpacífico (TPP) para avaliar, nas palavras do próprio, como criar "mais empregos e oportunidades" para todos os Estados que subscreveram o acordo.

No início da reunião, que decorreu no Centro de Convenções de Lima, no âmbito da conferência de líderes da Organização de Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC), Obama disse que esperava ter um “diálogo construtivo” com os seus parceiros no TPP (sigla inglesa de Trans-Pacific Partnership).

As cimeiras da APEC são sempre “uma ocasião muito útil para reunir e examinar como se pode assegurar que estão a ser criados mais postos de trabalho, mais oportunidades e uma maior prosperidade para os países”, afirmou Obama, citado pela agência EFE.