O Partido Republicano deve perder o controlo da câmara de representantes e manter a maioria no Senado, perdendo oito lugares de governador, nas eleições intercalares dos EUA, de terça-feira, de acordo com as ultimas projeções.

Com ainda cerca de 30 lugares na câmara de representantes por apurar, as projeções indicam que o Partido Democrata deverá ficar com 227 lugares, contra 208 dos Republicanos.

No Senado, três corridas estão ainda em aberto, mas as projeções indicam que os Republicanos devem manter o controlo, reforçando com entre um e três lugares (54 contra 46).

Na disputa de lugares de governador, falta ainda decidir os Estados de Wisconsin, Georgia, Connecticut, Alaska e Nevada, mas as projeções mais recentes indicam que os Democratas deverão ganhar oito novos Estados, aumentando a vantagem de 16 que já possuíam sobre os Republicanos.

O presidente Donald Trump telefonou à líder dos democratas na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, para a felicitar pela vitória do seu partido naquele órgão do Congresso norte-americano.

Trump telefonou igualmente para o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, "para o felicitar pelas conquistas históricas" no Senado.

Numa curta publicação na rede social Twitter, Trump considerou os resultados destas eleições como "um imenso sucesso", agradecendo a todos o apoio dado às candidaturas republicanas.

Em algumas das eleições intercalares nos Estados Unidos está em jogo a real base de apoio do Partido Republicano do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, numa votação em que são escolhidos congressistas, senadores e governadores em 36 estados.

Democratas declaram "novo dia" para o país

A líder democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, assegurou que "amanhã será um novo dia" para o país depois do seu partido conquistar a maioria naquele órgão do Congresso dos EUA aos republicanos nas eleições intercalares norte-americanas.

Pelosi, que deverá ser a presidente da Câmara dos Representantes dos EUA depois de oito anos nas mãos dos republicanos, destacou que a conquista dos democratas não deve ser vista pelo prisma das diferenças partidárias, mas como uma vitória "para conservar os valores constitucionais" dos Estados Unidos.

"Com esta nova maioria democrata, vamos honrar os valores de nossos pais fundadores", sublinhou a congressista da Califórnia no seu discurso de vitória.

As declarações de Pelosi surgem depois do Presidente dos Estados Unidos ter classificado a noite eleitoral de um “tremendo sucesso”, numa reação ao facto de os resultados darem aos republicanos o controlo do Senado por mais dois anos, que contraria as expetativas dos democratas de uma onda anti-Trump que lhes garantisse uma maioria.

Primeiras mulheres indígenas no Congresso

As candidatas democratas Deb Haaland, do Novo México, e Sharice Davids, do Kansas, fizeram história como as primeiras mulheres indígenas a serem eleitas para o Congresso, na Câmara dos Representantes, nas eleições intercalares dos EUA de terça-feira.

Davids, advogada e ex-lutadora de artes marciais, é a primeira mulher indígena nos EUA a ser eleita para o Congresso, mas também a primeira lésbica.

Já Haaland, que liderou o Partido Democrata do Novo México (2015-2017) e foi responsável pelo voto dos indígenas na campanha presidencial de Barack Obama em 2012, vai ocupar a vaga deixada pelo também democrata Michelle Lujan Grisham, que conquistou a eleição para o cargo de Governador do Novo México.

Mais de dez mil pessoas já serviram na Câmara dos Representantes e quase 1.300 no Senado dos EUA, mas nenhum deles era uma mulher indígena.

Agora, estas duas mulheres juntam-se aos outros dois indígenas que servem atualmente na Câmara dos Representantes: os republicanos Markwayne Mullin e Tom Cole, ambos de Oklahoma, que foram reconduzidos.

Número recorde de mulheres eleitas para Câmara dos Representantes

As mulheres vão quebrar o recorde atual de 84 que ocupam funções ao mesmo tempo na Câmara dos Representantes no Congresso norte-americano, para cujo órgão foram realizadas eleições esta terça-feira nos Estados Unidos.

Com os boletins de voto ainda a serem contabilizadas em todo o país, as mulheres já conquistaram 75 lugares e garantiram pelo menos a vitória em nove distritos, onde as mulheres são as únicas candidatas pelos grandes partidos.

Depois da 'Marcha das Mulheres' contra o Presidente Donald Trump no dia seguinte à sua tomada de posse em janeiro de 2017 e após uma série de acusações de agressões sexuais no final do ano que desencadeou o movimento #MeToo, a agenda pela igualdade de género teve um papel decisivo na definição da política do Partido Democrata neste ciclo eleitoral.

Mais de 230 mulheres, muitas delas candidatas pela primeira vez, participaram das eleições gerais nas eleições para a Câmara dos Representantes.

Apesar do recorde, os homens vão continuar a deter a grande maioria dos lugares naquele órgão.