Um relatório parcialmente divulgado esta segunda-feira pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos conclui que existiram vários erros na investigação sobre a alegada interferência da Rússia na campanha de Donald Trump para as eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

O documento aponta falhas graves na investigação conduzida pelo FBI, o que reforça a argumentação de Donald Trump e dos seus aliados. Ainda assim, há uma conclusão que vai contra o presidente dos Estados Unidos: não houve motivações políticas na investigação.

Uma das falhas referidas está relacionada com "imprecisões e omissões significativas" relativas aos pedidos de escuta telefónica.

Ao todo, foram identificados 17 problemas no momento em que o FBI terá pedido ao Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira para aceder a algumas das comunicações. Segundo o inspetor-geral, Michael Horowitz, estes erros resultaram "informação que a informação que suporta o caso era mais forte que o caso em si".

Na sua totalidade, o relatório tem 476 páginas, e existem informações que ainda não são públicas.

/ AG