O presidente Donald Trump respondeu de forma arrojada ao ser questionado sobre se tinha ou não pressionado o diretor do FBI, James Comey, sobre deixar cair a investigação de Flynn, sobre as ligações da campanha de Trump à Rússia.

"Não. Não. Próxima pergunta", foi a resposta de Trump, durante uma conferência de imprensa conjunta com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

Trump também criticou os rumores sobre as possíveis ligações da Rússia à sua campanha presidencial e, inclusive, repetiu a ideia já expressa no twitter de que esta acusação é "uma caça às bruxas".

Apesar disso, diz respeitar a nomeação de Robert Mueller para continuar a investigar os alegados esforços do governo russo para influenciar a eleição presidencial de 2016 e outros assuntos relacionados. 

Eu respeito o movimento, mas a coisa toda tem sido uma caça às bruxas e não há nenhum conluio entre a minha campanha e a Rússia. Posso sempre falar por mim mesmo, quanto aos russos, zero.", sublinhou o presidente.

Trump também se vangloriou sobre o seu trabalho nestes primeiros quatro meses na Casa Branca e chegou mesmo a sugerir que toda esta polémica destina-se a distrair e dividir o país.

Eu odeio tudo o que provoque divisões. Estou tranquilo com o que as pessoas querem fazer, mas temos de voltar a focar-nos em pôr este país a andar para a frente. Fizemos um enorme progresso nestes últimos e estranhos dias", disse.

Trump deixa ainda o aviso de que é a principal prioridade é os EUA e que há muitos problemas internos por resolver. Por isso, para o Trump, falar de impeachment agora é "ridículo".