Pensei que ser presidente seria mais fácil”, é uma das frases que marca a entrevista que o presidente norte-americano, Donald Trump, concedeu à agência Reuters. Tal como a confissão de que "tem saudades da vida anterior". Da vida pessoal à política internacional, foram vários os temas abordados. O atual residente da Casa Branca assumiu ainda que a Coreia da Norte é uma das suas maiores preocupações atuais.

Num tom mais pessoal, questionado pelo jornalista da Reuters sobre a vida atual, Donald Trump reconheceu que trabalha mais agora do que antes:

"Eu amava a minha vida anterior. Estavam sempre coisas a acontecer. Aqui tenho mais trabalho do que antes. Pensei que seria mais fácil. Tenho saudades da minha vida anterior. Aqui estamos num pequeno casulo, porque temos tanta proteção que não podemos ir a lado nenhum. Eu gosto de conduzir e, agora, não posso conduzir.”

Em relação a Pyongyang, o presidente norte-americano admite “a possibilidade” de podermos acabar perante “um grande, grande conflito com a Coreia do Norte”. “Essa é a sua maior preocupação global nesta altura?”, questionou o jornalista.

“Sim, acho que é verdade. A Coreia do Norte será certamente isso”, respondeu Trump.

De alguma forma, Donald Trump até parece perceber a posição que Kim Jong-un, o líder da Coreia do Norte ocupa:

"Ele tem 27 anos, seu pai morre, assume um regime. Diga-se o que se disser, isso não é fácil, especialmente nesta idade. Há muitos generais e muitas outras pessoas que gostavam de fazer o que ele está a fazer. Eu não lhe estou a dar crédito, estou só a falar e a dizer que é uma coisa difícil de se fazer. Não sei se ele é uma pessoa racional ou não, mas espero que seja racional”

Em relação à China, o presidente norte-americano não tem dúvidas de que o líder do país, Xi Jinping, “é um homem bom” e que a situação com a Coreia do Norte passa também por aquele chefe de Estado.

“Ele não quer ver turbulência ou morte. Ele é um homem bom. Ele é um homem bom e eu acabei por ficar a conhece-lo bem. Vamos ver como funciona. Eu sei que ele gostava de fazer alguma coisa para ajudar. Talvez não seja possível. Mas eu acho que ele gostaria de fazer alguma coisa”

Em relação ao terrorismo islâmico, Donald Trump, não tem dúvidas de que “existe um fim e tem de ser a humilhação”.

"Nós não podemos deixá-los vir para cá. Há um fim e tem que ser humilhação. Estamos a erradicar pessoas más. Quando olhamos para o que se passa e vemos pessoas cujas cabeças são cortadas… Nós não vemos isso desde a idade média, certo?”