O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta sexta-feira ter assinado uma ordem a pedir ao FBI que investigue as acusações de abuso sexual contra o seu candidato ao Supremo Tribunal, o juiz Brett Kavanaugh.

Ordenei ao FBI que faça uma investigação complementar para atualizar o dossiê do juiz Kavanaugh. Como pediu o Senado, esta atualização deverá estar limitada [às acusações de conduta sexual imprópria] e ser finalizada em menos de uma semana”, disse o Presidente, segundo um “tweet” da porta-voz da Casa Branca, Sara Sanders.

A Comissão Judicial do Senado tinha solicitado uma investigação do FBI (polícia federal norte-americana) depois de um dos senadores conservadores se ter juntado aos democratas na necessidade de um inquérito às acusações antes da votação no plenário.

Por outro lado, o próprio Kavanaugh manifestou esta sexta-feira disponibilidade para colaborar com as autoridades depois de, durante o testemunho de quinta-feira, na Comissão Judicial, ter evitado dizer se achava necessária a investigação.

Ao longo de todo o processo, fui entrevistado pelo FBI, fiz várias chamadas sobre os meus antecedentes com o Senado e respondi diretamente a perguntas sob juramento sobre cada tema que os senadores e os seus advogados pediram. Fiz tudo o que pediram e vou continuar a cooperar”, disse, em comunicado.

O juiz conservador Brett Kavanaugh foi hoje aprovado pela Comissão Judicial do Senado numa votação preliminar e de recomendação, cabendo agora à câmara alta do Congresso norte-americano confirmar o nome do magistrado.

Esta votação, que estava inicialmente prevista para as 13:30 hora local (18:30 em Lisboa), mas que acabou por ser realizada com atraso, está envolta em forte polémica, uma vez que Brett Kavanaugh, de 53 anos, está a ser acusado de conduta sexual imprópria por pelo menos três mulheres.

Os 11 membros republicanos que compõem o comité votaram a favor da recomendação da confirmação de Kavanaugh no Senado. Os restantes elementos do comité, dez democratas, opuseram-se.

Um senador republicano, Jeff Flake, pediu, no entanto, que a votação final no Senado fosse adiada uma semana, para permitir uma investigação do FBI às acusações que recaem sobre o juiz Kavanaugh, o que acabaria por acontecer devido a um acordo de última hora entre os senadores.

Atualmente, os republicanos detêm uma estreita maioria no Senado, 51 lugares contra os 49 dos democratas.