A maior paralisação da história do Governo dos Estados Unidos da América forçou Donald Trump a servir um banquete de fast food aos campeões nacionais da liga universitária de futebol americano, os Clemson Tigers, da Carolina do Sul.

Por causa do já famoso shutdown, que entrou na quarta semana, não havia ninguém disponível para cozinhar ou servir a refeição. O Presidente norte-americano recusou-se a cancelar o evento devido à paralisação parcial do Governo e acabou por servir um banquete “tipicamente americano” de pizza, hambúrgueres e batatas fritas e "pagou do próprio bolso".

Pedi uns mil hambúrgueres para vocês. Tudo de empresas norte-americanas: Burguer King, Wendy's e McDonald's. (...) Tudo o que me agrada a mim e a vocês", disse Trump aos campeões universitários de futebol americano. 

 

Tinha que escolher: ou não vos dávamos comida, porque estamos parcialmente paralisados na Administração ou ofereciamos umas pequenas saladas que a primeira dama e a segunda dama vos preparariam. (...) Pedi mil hambúrgueres", disse. 

O shutdown teve início à meia noite do dia 21 de dezembro e ainda não há fim à vista. O motivo principal é a discordância entre Trump e os democratas, que recusam que o orçamento federal inclua os custos do muro que o Presidente dos Estados Unidos quer construir na fronteira com o México.

Donald Trump quer gastar 5.7 biliões de dólares na construção, enquanto os democratas só estão dispostos a ceder cerca de 1.3 biliões para continuar a proteger a fronteira.

Estima-se que a paralisação esteja a afetar cerca de 800.000 funcionários do setor público, incluindo o staff da Casa Branca, residência oficial do Presidente dos Estados Unidos.

Os trabalhadores são obrigados a abandonar temporiamente os seus empregos, ou a trabalhar sem receber. Os controladores de tráfego aéreo, assim como os agentes dos Serviços Secretos, continuam a trabalhar até à aprovação do orçamento, mesmo sem remuneração.

A paralisação parcial do Governo custa cerca de 1.2 biliões de dólares por semana à economia americana, estimativa da S&P Global Ratings. O braço de ferro entre Trump e os democratas continuará até que algum dos lados ceda às exigências impostas.