Donald Trump está envolvido numa nova polémica que poderá fazer tremer as relações entre os Estados Unidos e a Alemanha. Segundo noticia a imprensa alemã, esta sexta-feira, o presidente norte-americano insultou o país europeu e ameaçou cortar nas importações de automóveis alemães, num encontro com os líderes europeus.

A posição do líder norte-americano, que participa na cimeira da NATO em Bruxelas, terá sido transmitida num encontro com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, segundo escrevem o Der Spiegel e o Süddeutsche Zeitung, que citam fontes que estiveram presentes na reunião.

Trump terá afirmado que os alemães são “maus, muito maus”, quando falava das políticas económicas e comerciais de Berlim, criticando o superavit do país.

“Vejam os milhões de automóveis que estão a vender nos Estados Unidos. Terrível. Temos de parar isto.”

As palavras caíram mal em Berlim e surgem num momento de alguma tensão entre os Estados Unidos e a Europa, depois de Trump ter afirmado que os europeus não pagam o que deviam no que toca às contribuições para a NATO.

O porta-voz do governo alemão Georg Streiter reagiu à notícia, esta sexta-feira, afirmando que o excedente comercial do país "não é bom nem é mau", é "o resultado da interação entre a procura e o consumo que existem nos mercados".

Entretanto, o presidente da Comissão Europeia já veio a público pôr alguma água na fervura, negando que Trump tenha condenado as políticas comerciais alemãs de forma tão agressiva. Em declarações aos jornalistas, em Itália, onde vai decorrer um encontro do G7, Juncker classificou as notícias como "exageradas".

“Trump não disse que os alemães se estavam a portar mal. Não foi agressivo de forma alguma e eu não tomei o partido dos alemães. Apenas deixei claro que os Estados Unidos não podem comparar o seu desempenho económico com o de um país da União Europeia e que essa comparação tem de ser feita com o desempenho global da UE.”

Esta não é a primeira vez que Trump expressa as suas frustrações em relação às políticas comerciais da Alemanha.

Em janeiro, numa entrevista ao jornal Bild, Trump criticou os fabricantes de automóveis alemães por não produzirem mais carros em solo norte-americano e ameaçou aplicar uma taxa de 35% às importações alemãs.

 “Se querem fabricar carros no mundo, desejo-vos toda a sorte. Podem fabricar carros para os Estados Unidos, mas vão pagar 35% de imposto por cada carro que entrar nos EUA”, vincou, na altura.