Donald Trump falou, esta quarta-feira, em conferência de imprensa, sobre o surto de coronavírus que já infetou 15 norte-americanos.

Segundo o presidente dos EUA, o risco de coronavírus para os americanos permanece muito baixo e o país está “muito, muito pronto” para qualquer eventualidade relacionada com o COVID-19.

"Estamos prontos para nos adaptar e estamos prontos para fazer o que for preciso à medida que a doença se espalhar, se ela se espalhar", afirmou, acrescentando que não pensa que a propagação do coronavírus seja "inevitável".

Trump garantiu ainda que o presidente da China está a trabalhar arduamente para combater o coronavírus.

Quanto aos EUA, o presidente norte-americano revelou que Mike Pence, vice-presidente, ficará diretamente responsável por gerir a resposta norte-americana ao surto de coronavírus e que falta agora decidir o financiamento para o surto por parte do Congresso.

Segundo Donald Trump, se o Congresso decidir alocar mais de 2.5 mil milhões de dólares para a resposta ao coronavírus, será aceite.

O número de novos casos diários confirmados de coronavírus no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez o que se verifica na China, anunciou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Com 411 casos na China e 427 no resto do mundo registados na terça-feira, "o número de novos casos fora da China ultrapassou pela primeira vez o número de novos casos na China", declarou o diretor-geral daquela agência das Nações Unidas, Tedros Ghebreyesus, na sede da organização em Genebra.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de pelo menos 2.763 mortos e cerca de 81 mil infetados, de acordo com dados reportados por mais de 40 países e territórios.

Além de 2.717 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Andreia Miranda