A América acordou sem um presidente eleito e os candidatos às eleições têm opiniões diferentes sobre o que se passa com a contagem dos votos. 

Depois de ter perdido estados-chave para os democratas, Donald Trump queixou-se no Twitter da contagem de votos e dos votos que desapareceram durante a noite. 

"Na última noite estava a liderar, muitas vezes com solidez, em muitos Estados importantes, em quase todas as instâncias democratas governadas e controladas. Então, um por um, eles começaram a desaparecer magicamente enquanto os boletins eram contados. MUITO ESTRANHO, e os “investigadores” perceberam tudo completa e historicamente errado!", escreveu Trump num tweet que a rede social assinalou como enganador.

O republicano questionou ainda porque é que cada vez que os votos por correio são contados o resultado é tão devastador, o que surge no seguimento dos problemas que vêm sido levantados pelos apoiantes de Trump nas redes sociais, de que a contagem desses votos cairá a favor de Biden.

A campanha de Donald Trump afirmou esta quarta-feira que vai dar entrada a um processo legal para que seja suspensa a contagem dos votos no estado da Pensilvânia, onde o candidato republicano lidera com uma larga vantagem, sendo que falta a contabilização dos boletins de voto antecipados, que devem ter uma tendência democrata.

A campanha do candidato e atual presidente pediu que seja suspensa também a contagem de votos no estado do Michigan, numa altura em que Joe Biden já venceu naquele local, conseguindo assim mais 16 delegados.

Donald Trump vai pedir ainda uma recontagem dos votos no estado do Wisconsin, vencido por Joe Biden.

Por sua vez, Joe Biden anunciou que a sua campanha irá fazer um ponto de situação das eleições mas que, resultados, só depois de todos os votos serem contados.

Donald Trump declarou-se, esta manhã (hora de Lisboa) como vencedor das eleições presidenciais, apesar de a contagem de votos ainda não ter terminado e numa altura em que o seu adversário democrata, Joe Biden, parecia estar numa posição mais favorável.

Donald Trump acabou por ameaçar, no seu discurso, recorrer ao Supremo para tentar parar a contagem de votos.

A equipa do candidato democrata, Joe Biden, reagiu, afirmando que vai contrariar quaisquer esforços do rival republicano de recorrer ao Supremo Tribunal para parar a contagem de votos.

Numa declaração, a candidatura democrata disse que a ameaça de Trump de recorrer ao Supremo Tribunal é “escandalosa, sem precedentes e incorreta”.

Segundo projeções dos principais ‘media’ norte-americanos, o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, está à frente do Presidente norte-americano, Donald Trump, com 238 delegados contra 213 no Colégio Eleitoral. 

Andreia Miranda / Atualizada às 22:10