O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que quer “seguro [de saúde] para toda a gente”, numa entrevista ao jornal Washington Post.

Apesar de milhões de pessoas não terem seguro, Trump tem vindo a criticar o plano de saúde do Presidente Barack Obama (Affordable Care Act, conhecido como ‘Obamacare’) e prometeu, durante a campanha eleitoral repeli-lo e substitui-lo. No entanto, o magnata nunca disse exatamente como o vai fazer.

No sábado à noite, Trump disse ao Washington Post que quer “seguro para toda a gente”, exigindo às farmacêuticas que negoceiem diretamente com o Governo sobre os preços para o Medicare e Medicaid, planos governamentais destinados aos idosos e mais desfavorecidos, respetivamente.

Estão politicamente protegidas. Mas vão deixar de estar", disse Trump sobre as farmacêuticas.

Sem revelar mais informação, Trump prometeu "números mais baixos, franquias muito mais baixas" e disse que já há uma proposta de novo plano.

Já está formulada, estamos nos últimos detalhes. Ainda não a disponibilizámos, mas vamos fazê-lo em breve", disse, acrescentando que vão "ter seguro para toda a gente. Havia uma filosofia nalguns círculos de que se não podes pagar, não recebes. Isso não vai acontecer connosco".

As pessoas abrangidas pela nova lei "podem esperar grandes cuidados de saúde", que serão "muito menos caros e muito melhores".

A Casa Branca considera o 'Obamacare' um sucesso, permitindo que 20 milhões de pessoas passassem a ter seguro de saúde.

A lei criada por Obama proíbe as seguradoras de recusar proteção devido a doenças preexistentes, acaba com os limites de idade e permite que os filhos estejam integrados no seguro dos pais até aos 26 anos.

Os democratas já alertaram que revogar a lei pode forçar milhões de norte-americanos a ficarem sem seguro.

Redação / AM