Donald Trump surgiu em público pela primeira vez depois de ter sido hospitalizado devido à infeção por covid-19. "Sinto-me ótimo", declarou o presidente dos Estados Unidos perante centenas de pessoas que se reuniram, este sábado, na Casa Branca.

Trump discursou para a multidão, sem máscara, depois de a Casa Branca ter rejeitado revelar se o líder norte-americano ainda pode contagiar outras pessoas com o vírus.

A Casa Branca insistiu que este era um evento oficial da presidência e não um ato de campanha do candidato republicano às próximas eleições, mas Trump acabou por aproveitar a oportunidade para deixar uma provocação, visando os seus opositores, os democratas Joe Biden e Kamala Harris. 

Acho que os vamos afundar por muito", afirmou. 

Trump deixou ainda a promessa de que o coronavírus “vai desaparecer”, que está “em vias de desaparecer”.

Quero que saibam que a nossa nação vai vencer este terrível vírus chinês”, insistiu o presidente norte-americano, perante os apoiantes, muitos com máscara, mas sem considerarem o distanciamento social.

“Produzimos terapias e medicamentos poderosos, curamos os doentes, vamos recuperar e a vacina vai chegar muito, muito depressa, num tempo recorde”, assegurou.

“A ciência e a medicina vão erradicar o vírus chinês uma vez por todas, vamos livrar-nos do vírus em todo o mundo. Estão a ocorrer fortes fluxos na Europa, no Canadá (…) mas isso vai desaparecer, está em vias de desaparecer e as vacinas vão ajudar”, considerou.

No seu breve discurso, o chefe da Casa Branca foi de novo particularmente crítico face às correntes da “esquerda” e do “socialismo”, numa abordagem em termos gerais, e assegurou que “nunca permitiremos” que assumam o poder.

Donald Trump, que tomou posse com 70 anos após vencer as presidenciais de novembro de 2016, confirmou ter testado positivo à covid-19 na semana passada.

A cerca de três semanas das eleições presidenciais, onde vai defrontar o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, o presidente passou três dias no hospital militar Walter Reed, e após ter saído do estabelecimento na segunda-feira tem insistido que se sente bem e pediu aos norte-americanos para “não terem medo” da doença.

Na sexta-feira soube-se que o segundo debate entre os dois candidatos às presidenciais dos Estados Unidos, que estava agendado para 15 de outubro, foi cancelado porque Trump recusou participar num debate virtual.

Sofia Santana / atualizada às 22:22