O presidente do Conselho Europeu disse esta quinta-feira que os líderes europeus, reunidos em Bruxelas, têm a noção de que “a estratégia da Rússia é enfraquecer a União Europeia”, mas garantiu que o bloco europeu manterá a sua unidade face a Moscovo.

No final do primeiro dia de trabalhos da cimeira de chefes de Estado e de Governo que decorre em Bruxelas, Donald Tusk indicou que houve “uma ampla discussão sobre a Rússia”, tendo os líderes europeus sublinhado as mais variadas “atividades russas”, desde “as violações de espaço aéreo, as campanhas de desinformação”, passando por “ciberataques e interferências nos processos políticos na UE e não só”, além de “desenvolvimentos na investigação do (queda do voo da Malaysia Airlines) MH16”.

Face a estes exemplos, é claro que a estratégia da Rússia é enfraquecer a UE”, apontou o presidente do Conselho Europeu, que asseverou que os líderes europeus não têm “ilusões” e concordaram, "acima de tudo, em manter a unidade".

Referindo-se ao caso específico da intervenção russa no conflito sírio, e designadamente nos bombardeamentos a Alepo, Donald Tusk reiterou que a UE “pede o fim das atrocidades e imediato cessar de hostilidades” e “considerará todas as opções disponíveis se estas atrocidades continuarem”, sem no entanto mencionar a possibilidade de novas sanções.

Aumentar tensões com a Rússia não é o nosso objetivo, estamos apenas a reagir a passos dados pela Rússia. Claro que a UE está sempre disposta a encetar um diálogo, mas nunca comprometeremos os nossos valores ou princípios”, completou.

Merkel não descarta medidas contra Rússia

A chanceler alemã afirmou na quinta-feira que a União Europeia não exclui medidas contra a Rússia, mas sublinhou ser importante um consenso, indicando que, por enquanto, não se discutiram prazos para impor eventuais sanções.

Teremos de contemplar qualquer medida para responder”, disse Angela Merkel, numa conferência de imprensa no final do primeiro dia de trabalhos da cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE), em Bruxelas.

Merkel frisou que a “principal prioridade” da UE continua a ser garantir o acesso da ajuda humanitária à cidade de Alepo, no norte da Síria.

A cimeira de chefes de Estado e de Governo da UE, iniciada quinta-feira à tarde, e cuja primeira sessão de trabalhos terminou já hoje de madrugada, prosseguirá de manhã, com a agenda centrada na política comercial.

Portugal está representado no Conselho Europeu pelo primeiro-ministro António Costa, que se escusou a prestar declarações no primeiro dia de trabalhos.