Um jovem, de 19 anos, morreu depois de inalar desodorizante em spray. O holandês queria drogar-se a acabou por sofrer uma paragem cardiorrespiratória.

O caso, que aconteceu em julho, foi revelado nesta quinta-feira, na BMJ, uma das mais conceituadas publicações sobre medicina.

O rapaz colocou uma toalha sobre a cabeça e inalou o desodorizante em spray com o objetivo de apanhar uma pedrada. Ficou hiperativo e acabou por sofrer uma paragem cardiorrespiratória.

Foi hospitalizado e colocado em coma induzido, mas os médicos não conseguiram salvá-lo.

O paciente não tinha função cerebral suficiente para se manter vivo”, descreveu o médico Kelvin Harvey Kramp do hospital Maasstad, em Roterdão.

O jovem, que tomava antipsicóticos e tinha estado em reabilitação por consumo de canábis e cetamina, acabaria por morrer nove dias depois, depois de os médicos terem optado por desligar as máquinas.

Casos terminais como este são considerados “muito raros” e, por isso, “as consequências [de inalar desodorizante] são pouco conhecidas”, com muitos jovens a desconhecerem o perigo que correm.

O abuso de solventes (colas, gases e aerossóis) atinge particularmente “jovens e pessoas vulneráveis”, com idades entre os 15 e os 19 anos.

Os sintomas são semelhantes ao do consumo de álcool, como “euforia e desinibição”, segundo Kamp.

De acordo com o artigo publicado na BMJ, mais de uma centena de pessoas morrem todos os anos deste tipo de consumo. No Reino Unido, em 2016, há registo de 64 mortes associadas a diferentes inaladores, sendo mais difícil especificar as mortes por produto específico. Ainda assim, as autoridades britânicas avançam com quatro a cinco mortes anuais devido à inalação de aerossóis.