Martin Entwisle, líder do sindicato da companhia aérea no Reino Unido, afirmou que a EasyJet está numa situação “muito, muito difícil”, depois de um encontro com o diretor financeiro da empresa. As revelações foram feitas através de uma gravação secreta obtida pela BBC News.

A reunião entre Martin Entwisle, representantes sindicais dos pilotos e a alta administração da EasyJet, aconteceu há duas semanas. Pouco tempo depois, numa apresentação das conclusões da reunião aos pilotos da EasyJet, Entwisle desabafou que a atual situação da empresa é “terrível”.

“Acho que a maneira mais fácil de colocar isto é que a empresa está por um fio. A situação é terrível”, frisou. “Se não tivermos um bom verão, no próximo verão, e ganharmos uma quantidade considerável de dinheiro, realmente vamos perder o emprego.”

A gravação traz à luz as dificuldades financeiras que as companhias aéreas atravessam e esperam atravessar no próximo inverno. 

Em declarações à TVI, a EasyJet sublinhou que a gravação não reflete "a easyJet ou o seu CFO" e que, apesar de toda a indústria ter sido a afetada pela pandemia, a companhia aérea diz ter posto em prática uma "abordagem prudente" e ações "corretas para a preservação financeira" da empresa.

A empresa negou que as afirmações reflitam a situação da EasyJet ou as palavras de diretor financeiro da companhia, Andrew Findlay.

Como todas as empresas do setor, a EasyJet tem tomado medidas drásticas em resposta à pandemia e, em maio, anunciou a intenção de despedir 4.500 funcionários. A companhia já recebeu mais de 650 milhões de euros em fundos de emergência do governo e vendeu cerca de 30% dos aviões da sua frota para financiar as suas operações.