As autoridades egípcias libertaram, esta sexta-feira, o ativista político Alaa Abdelfatah que tinha sido condenado a cinco anos de prisão por participação numa manifestação de protesto em 2013, no Cairo.

A irmã do ativista, Mona Seif, e outros membros da família com tradições na luta pelas liberdades políticas no Egito, anunciaram através das redes sociais que Abdelfatah foi libertado “de madrugada” depois de ter sido transportado da prisão de Tora, nos arredores do Cairo, para uma esquadra da polícia no centro da capital egípcia onde foi finalmente colocado em liberdade.

Mona Seif publicou nas redes sociais uma fotografia do ativista no momento em que regressa a casa depois de ter cumprido os cinco anos de prisão por ter participado, em novembro de 2013, numa manifestação não autorizada frente ao Parlamento contra a utilização de tribunais militares nos julgamentos de civis, uma prática comum no Egito.

Em 2014, um tribunal condenou Abdelfatah a 15 anos de prisão mas o julgamento inicial foi anulado e repetido tendo o ativista sido sentenciado mais tarde a cinco anos de prisão e ao pagamento de 13 mil dólares, uma multa prevista pela legislação contra manifestações e que é aplicada a centenas de jovens.

Desde o momento em que foi detido esperava-se que Abdelfatah fosse indultado pelo chefe de Estado numa das amnistias que são concedidas aos presos políticos duas vezes por ano e que coincidem com as celebrações muçulmanas do Aid, tal como sucedeu com a irmã, Sanaa Seif, que tinha sido condenada a três anos de prisão por ter participado numa manifestação frente ao Palácio Presidencial.

Abdelfatah que mantinha um influente blog em que defendia liberdades políticas começou a ser perseguido pelo regime do ditador Hosni Mubarak, deposto na sequência dos protestos populares de 2011.

Reconhecido por várias organizações de defesa de direitos humanos internacionais, Alaa Abdelfatah manteve-se na oposição durante a presidência de Mohamed Mursi entre 2012 e 2013 e depois contra Abdelfatah al Sisi no poder desde o golpe de Estado de 2013.