Num vídeo de quase três minutos, podemos ver uma mulher e um homem a escalar uma das pirâmides de Gizé, o icónico monumento egípcio, durante a noite. Chegados ao topo, decidem tirar toda a roupa e registar esse momento fotograficamente, o que gerou polémica.

Esta segunda-feira, o governo egípcio exigiu ao procurador-geral que o caso fosse investigado. Num comunicado, o ministro das Antiguidades, Khaled al Anani, pediu que fossem tomadas “as medidas necessárias” em relação ao vídeo e à fotografia, que circulam nas redes sociais, por considerar que violam a moralidade e a ética pública do país.

Andreas Hvid, fotógrafo, é um dos protagonistas da foto. No dia 8 de dezembro, publicou um vídeo no seu canal de YouTube. Na descrição, diz que escalou a pirâmide com uma amiga, e que não filmaram todo o percurso porque tiveram medo de serem vistos.

No final de novembro de 2018, eu e uma amiga escalámos a Grande Pirâmide de Gizé. Com medo de sermos apanhados pelos guardas, não filmei durante várias horas”  

Nos últimos 15 segundos do vídeo, a rapariga começa a despir-se, ficando apenas de calças.

Na fotografia, decidiram ser mais ousados. Surgem ambos completamente nus, numa posição sexual, com a Cidade do Cairo como imagem de fundo.

Fotografia de Andreas Hvid no topo da Grande Pirâmide de Gizé

Tanto na conta de Instagram, como no portfólio online de Andreas, é possível encontrar várias fotografias tiradas do topo de edifícios, estruturas metálicas e pontes. Muitas delas com figuras femininas seminuas.  

Não é a primeira vez que há este tipo de controvérsias à volta das Pirâmides de Gizé. Em 2015, um jovem alemão, Andrej Ciesielski, foi detido e expulso do Egito por escalar uma das três pirâmides sem autorização. Mais recentemente, em 2017, uma modelo belga, Marisa Papen, posou sem roupa na esplanada do monumento e ficou detida durante um dia.