A Namíbia quer vender 170 elefantes selvagens, anunciou, esta semana, o seu ministro do Ambiente, das Florestas e do Turismo, Pohamba Shifeta.

São, de acordo com o governo namibiano, 170 elefantes de "grande valor", que podem ser adquiridos por quem fizer a melhor oferta, inclusive de fora do país.

A venda destes exemplares de uma espécie ameaçada deve-se ao facto de a sobrevivência dos elefantes não estar assim tão ameaçada na Namíbia, segundo o executivo, que até quer voltar a permitir a sua caça.

De acordo com números oficiais, nos últimos 14 anos, a população de elefantes neste país da África Austral subiu de 7.500 para 24.000 em 2019.

Um número que, associado à seca e à procura de alimento, tem levado estes animais a zonas residenciais e gerado conflitos entre humanos e elefantes, argumentou ainda o governo, para justificar a venda.

Os elefantes são uma das espécies mais ameaçadas devido à caça furtiva, ao comércio ilegal, por exemplo, de marfim, além de fatores ambientais, como a seca.

Para poder comprar um elefante da Namíbia, o comprador, nacional ou estrangeiro, terá de cumprir determinados critérios, como ter instalações adequadas à realização de quarentena, terreno com vedação para impedir a caça furtiva e prova de que as autoridades no país de destino autorizam a importação dos elefantes.

Catarina Machado