O ex-primeiro-ministro socialista francês Manuel Valls considerou hoje que a derrota do seu partido na primeira volta das eleições presidenciais marca o fim de um ciclo para aquela formação política, que termina cinco anos no poder.

“É o fim de uma história. Desde 1992 e do referendo de Maastricht não aprendemos a lição. Deixámos que as divisões se instalassem no nosso seio e, por isso, estamos hoje nesta situação”, declarou à emissora France-Inter, considerando ser necessário que o partido se redefina.

“Estamos numa fase de decomposição, demolição, deconstrução”, observou ainda o socialista, acrescentando: “Nós não fizemos o nosso trabalho - intelectual, ideológico e político - sobre o que a esquerda é, e pagámos o preço”.

O centrista Emmanuel Macron lidera a primeira volta das presidenciais francesas com quase mais 2,5 pontos percentuais do que a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, quando estavam apurados 97% dos sufrágios.De acordo com os dados do Ministério do Interior, quando falta apurar apenas 3% dos votos, Macron obteve 23,86% dos votos, enquanto Le Pen conquistou 21,43%.