O presidente francês, François Hollande, anunciou hoje que não se vai candidatar a um novo mandato no próximo ano.

"Decidi que não serei candidato", disse Hollande num discurso à nação transmitido pela televisão.

Esta é uma decisão histórica já que é a primeira vez, desde a instauração da Quinta República, em 1958, que um Presidente não se recandidata e um segundo mandato. 

"Hoje sou consciente dos riscos originados por uma campanha em meu redor. Por isso, decidi não ser candidato à renovação do meu mandato. Movo-me apenas em nome do superior interesse do país", justificou François Hollande.

O atual presidente, eleito em 2012, não quer "dividir" a esquerda no país. Ao facto também não deverá ser alheia a sua baixa popularidade entre os franceses, o que tornava pequena a possibilidade de ser reeleito.

Além disso, apesar de não haver nenhum anuncio oficial, o primeiro-ministro de França, do seu próprio partido, Manuel Valls, deu indicações de que pode avançar. Esta decisão de Hollande acaba por abrir caminho a Valls que pretende unir a esquerda em torno da sua candidatura.

Recorde-se que à direita, o nome que vai entrar na corrida já é conhecido: François Fillon. Mas, mais à direita, há ainda outro nome: Marine Le Pen.

Renúncia a recandidatura de Hollande "decisão de estadista"

Horas depois, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, considerou que a renúncia do presidente François Hollande a recandidatar-se em 2017 é "a decisão de um estadista".

"É uma decisão difícil, ponderada, importante. É a decisão de um estadista. Quero transmitir a François Hollande a minha emoção, o meu respeito, a minha fidelidade e o meu afeto", escreveu Valls em comunicado.

Redação / PP (atualizada às 22:15)