Os cerca de 6,4 milhões de eleitores israelitas são esta terça-feira chamados a votar para escolherem os seus 120 deputados, depois de terem feito o mesmo há cerca de cinco meses.

Após as legislativas de abril, o primeiro-ministro em exercício e líder do Likud, Benjamin Netanyahu, não conseguiu formar uma coligação para governar, o que aconteceu pela primeira vez na história do país, e o parlamento (Knesset) votou a sua dissolução antes da formação de um executivo, o que também nunca tinha acontecido.

Primeiro-ministro há mais tempo em funções em Israel, Netanyahu enfrenta um novo teste à sua capacidade de sobrevivência nestas legislativas e não tem desperdiçado oportunidades para atrair eleitores.

As questões de segurança e o conflito com os palestinianos preocupam os israelitas e nas últimas semanas Netanyahu reforçou os ataques ao inimigo Irão, fez uma rara visita à Cisjordânia ocupada e prometeu a anexação parcial deste território, tendo ainda realizado deslocações a Londres e à Rússia, fortalecendo a sua imagem internacional.

“Bibi”, como é conhecido, é também o primeiro chefe de Governo em funções a ser alvo de acusações criminais – de “corrupção”, “fraude”, “desvio de fundos” e “abuso de confiança” - em vários processos, mas apenas terá de demitir-se se for considerado culpado.

Há uma semana, Netanyahu prometeu anexar uma parte da Cisjordânia se for reeleito e suscitou críticas dos palestinianos, das Nações Unidas, da União Europeia e de vários países árabes.

A ONU considerou que a decisão seria devastadora para a “relançar as negociações” entre Israel e a Palestina e a UE disse que colocaria “em causa as perspetivas de uma paz durável” na região, enquanto Riade qualificou a declaração de “perigosa escalada”.

Primeiro-ministro israelita apela ao voto e diz que eleições serão "muito apertadas"

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, pediu à população que vote em massa nas eleições parlamentares desta terça-feira, dizendo ainda acreditar que estas serão "muito apertadas".

O Presidente (dos Estados Unidos, Donald) Trump disse ontem (segunda-feira) que as eleições serão apertadas. Eu posso garantir nesta manhã que serão muito apertadas", disse Netanyahu, pedindo aos israelitas que votem.

O primeiro-ministro israelita fez estas declarações após votar em Jerusalém, na companhia da sua mulher Sara.

O Presidente dos EUA disse na segunda-feira que as eleições parlamentares em Israel seriam apertadas.

São 50/50", disse Trump sobre as eleições que podem definir a sorte de Netanyahu, de quem Donald Trump é muito próximo.

Cerca de 6,4 milhões de eleitores vão participar nestas eleições em 10.700 mesas de voto. Nas últimas eleições, o presença dos eleitores foi próximo de 68%.

Pesquisas de diferentes meios de comunicação mostram vantagem do Likud (de Benjamin Netanyahu, direita), que está no poder há dez anos, e da formação de Kahol Lavan ("azul-branco") do ex-chefe do exército Benny Gantz, com 32 cadeiras cada um no 120 do Parlamento.

Trump este fim de semana demonstrou o seu apoio à campanha de reeleição do primeiro-ministro israelita durante uma chamada telefónica entre os dois políticos.

O Presidente dos EUA então revelou a sua conversa, referindo um possível tratado de defesa conjunta, que espera dar continuidade após as eleições em Israel.

/ CE