O Presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, empossou hoje o novo governo de transição e levantou o termo de residência fixa da antiga primeira-ministra do país Benazir Bhutto, que considerou o novo executivo inaceitável, informa a Lusa.

O antigo presidente do Senado paquistanês Mohammedian Soomro, nomeado primeiro-ministro de transição encarregue de organizar as eleições legislativas previstas para antes de 9 de Janeiro, tomou hoje posse na presença de Musharraf.

Soomro substitui Shaukat Aziz, que deixa a direcção do governo após três anos no cargo.

Em conferência de imprensa, Benazir Bhutto, cujo termo de residência fixa - imposto para impedir a líder da oposição de participar num marcha contra Musharraf - foi levantado durante a noite passada, rejeitou o novo governo de transição.

«Este governo transição é uma extensão da Liga Muçulmana o Paquistão-Q, o que não é aceitável», defendeu. «Não discutiremos com ditadores a nossa estratégia e aquela que visa restaurar a democracia», sublinhou.

O general Musharraf, que também subiu ao poder através de um golpe de Estado, há oito anos, congratulou-se por ter conseguido instalar uma «nova cultura de transição suave rumo à democracia».

Opinião que não é partilhada pela oposição que tenta unir-se contra Musharraf.

Benazir Bhutto exige, além da demissão de Musharraf, o levantamento imediato do estado de emergência decretado há quase duas semanas.

A oposição, tal como a comunidade internacional, considera que as eleições não podem decorrer sob o estado de emergência, que limita ao mínimo as liberdades mais fundamentais dos cidadãos, nomeadamente as de expressão e de reunião.

Mais de três mil elementos da oposição, entre advogados e magistrados, continuam detidos e sob residência vigiada desde a instauração do estado de emergência.
Portugal Diário