Um intenso aperto de mão do presidente francês, Emmanuel Macron, ao presidente norte-americano surpreendeu o próprio Donald Trump e não escapou aos olhos do mundo. Ambos os líderes encontraram-se na embaixada dos Estados Unidos, em Bruxelas, antes da cimeira da NATO, na passada quinta-feira. Numa entrevista ao Journal du Dimanche, Macron assumiu que foi "propositado”.

O meu aperto de mão, com ele, não foi inocente”, assumiu o presidente francês na entrevista divulgada este domingo.

Não é o alfa e o ómega de uma política, mas foi um momento de verdade”, acrescentou o líder francês recém-eleito. Um “momento” que se tornou viral na internet e que os utilizadores consideraram, desde logo, um recado a Donald Trump.

Donald Trump, o presidente turco ou o presidente russo olham para as relações em termos de uma balança de poder”, explicou Macron. 

“Isso não me preocupa. Eu não acredito em diplomacia através de abuso público. Mas, nas minhas conversas bilaterais, eu não deixo passar nada”, garantiu. Logo em seguida acrescentou:

É assim que ganhamos respeito. Temos que mostrar que não fazemos pequenas cedências, nem sequer as simbólicas”

Mas, na verdade, o aperto de mão, não foi o único momento entre Macron e Trump. Ainda quinta-feira, algumas horas depois, quando Emmanuel Macron se dirigia para junto do grupo de membros da NATO, que já seguem em conjunto. O presidente francês parece a seguir em direção a Donald Trump, que acaba por abrir ambas as mãos - no que parece uma antecipação de um aperto de mão -, mas Macron desvia-se num último instante -  e vai cumprimentar, primeiro, Angela Merkel com dois beijos na face.

E Trump nem foi o segundo da lista. Antes, Macron ainda cumprimentou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, e o primeiro-ministro belga, Charles Michel.